CENE

INFORMATIVO

CALENDÁRIO

GALERIA DE FOTOS

SECRETÁRIO

WEBTV

WEBRÁDIO

BÍBLIA ONLINE

CONTATO

Regional Oeste 2

Destaques CNBB

Kota

Assembleias

Biografia dos Bispos

"Que a CNBB possa estar mais a serviço dos regionais", diz dom Leonardo Steiner aos secretários executivos

Reunião, em Campo Grande (MS), contou com uma vasta programação, incluindo visita a aldeias indígenas
Secretários executivos dos 18 regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) participaram,  em Campo Grande (MS), da primeira reunião de 2016. De 18 a 22 de julho, o encontro foi marcado por momentos de convivência e partilha da caminhada. Também foram abordadas questões administrativas.
O evento  teve a presença do bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner, Foi coordenado pelo subsecretário adjunto de Pastoral da entidade, padre Antônio Luiz Catelan Ferreira.
Na ocasião, dom Leonardo falou sobre questões administrativas, a missão dos secretários executivos e sobre a importância do encontro. “É muito significativo esse diálogo para que haja na evangelização uma dinâmica comum. Que a CNBB possa estar, como matriz, mais a serviço dos regionais, possa ajudá-los na sua dinâmica e possa ouvi-los mais. Ao mesmo tempo, também é um momento importante para nós nos ajudarmos mutuamente na organização”, explicou dom Leonardo.
Para o bispo, toda a proposta do encontro deve facilitar a dinamização da evangelização. “A questão fundamental é sempre a evangelização. A CNBB e a Igreja existem para evangelizar. É claro que para evangelizar ela precisa se organizar, necessita de uma dinâmica que passa muito pelos regionais da CNBB. Não é um secretariado geral que comanda a Igreja no Brasil. A partir das dioceses, a partir dos regionais que nós podemos ajudar e dinamizar a evangelização, isso para a CNBB é o mais importante”, acrescentou.
A CNBB forma um organismo com 19 filiais, sendo os 18 regionais e as Edições CNBB. O encontro dos secretários executivos buscou a consonância em questões administrativas e pastorais dentro dessa estrutura.
Ainda, na reunião, cinco coordenadores diocesanos de Pastoral apresentaram as atividades desenvolvidas nas dioceses do regional Oeste 1 da CNBB, que compreende o estado do Mato Grosso do Sul. Eles falaram sobre a realidade atual da região, variedade de ministérios e serviços,  desafios das distâncias,  evangelização dos povos indígenas, conflitos de terra e escassez de vocacionados. 

Realidade indígena

Como parte da programação do encontro, os secretários executivos conheceram a realidade indígena, no município de Miranda, diocese de Jardim (MS). De acordo com o secretário executivo do regional Oeste 1, irmão Silvio da Silva, a região “vive um momento muito delicado”. 
O grupo esteve em algumas aldeias dos indígenas Terena. Somente na diocese de Jardim há mais de dez mil índios. Os Terena são numerosos em todo o Mato Grosso do Sul.
Na quarta-feira, dia 20, os secretários executivos, acompanhados do padre Antônio Catelan Ferreira e do bispo de Jardim, dom João Gilberto de Moura, foram acolhidos na Aldeia Babaçu – Comunidade Nossa Senhora Imaculada Conceição, por caciques, pajés e lideranças de doze aldeias. Cerca de sessenta pessoas estiveram presentes.
Segundo o secretário executivo do regional Sul 2 da CNBB (Paraná), padre Mário Spak, os caciques reuniram-se previamente entre eles para preparar a exposição e três deles ressaltaram alguns pontos que mais lhes são sensíveis no momento, como o esforço que estão realizando nas aldeias para o resgate e preservação da cultura indígena;  a consolidação da identidade indígena por meio das línguas maternas, danças e ritos; a luta para garantir que as leis institucionais de demarcação de terras sejam cumpridas. Com relação à Igreja, os índios pediram maior presença católica, muito apreciada por eles. As lideranças indígenas solicitaram que, na medida do possível, os padres façam visitas às casas para conhecer a realidade e mergulhar mais na cultura indígena. Ainda foi lembrada a precariedade do atendimento à saúde e o problema que eles têm enfrentado com bebida e  droga nas comunidades. Depois da exposição dos caciques, os secretários puderam falar e estabeleceu-se um diálogo para conhecimento recíproco entre a Igreja e a realidade indígena.
Ao final do encontro, dom João Gilberto de Moura classificou o dia vivido como histórico. “Somos a Igreja viva, a Igreja comunhão. Houve liberdade para exposição das reflexões. Muito do que foi dito nesta tarde ajudará a melhorar o nosso trabalho na diocese de Jardim, no regional Oeste 1 e também na Igreja do Brasil, devido à presença dos secretários executivos", disse. Segundo dom João, este foi o maior encontro realizado entre a Igreja e os Povos Terena.
Irmão Silvio da Silva, que pertence à Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência, agradeceu a oportunidade que regional Oeste 1 teve de receber, “na simplicidade e pobreza“, o encontro dos secretários executivos. O religioso ressaltou o momento em que a Igreja “vive e revive, a cada instante, a história de todos os fiéis católicos do Mato Grosso do Sul”, com a partilha de experiências e a visita às realidades, recordando a luta por dignidade dos povos indígenas do regional, “que vivem atualmente a pior tragédia da intolerância e a diabólica estratégia da discriminação e o ignominioso jeito de estratificar as pessoas pela sua origem”.
A próxima reunião está prevista para os dias 8 e 9 de novembro, em Brasília (DF). Em 2017, a primeira reunião será no Rio de Janeiro (RJ), sede do regional Leste 1 da CNBB.

Assessoria de Imprensa da CNBB com a colaboração e fotos do padre Mário Spaki

Seminário Regional de Catequese

Acontece neste final de semana, dias 23 e 24 de julho o SEMINARIO REGIONAL DE CATEQUESE, cujo participação e celebrações serão de importância no cumprimento de sua missão, com o tema A DIMENSÃO CELEBRATIVA NA INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ.
Na alegre expectativa deste encontro de irmãos e irmãs, discípulos/as e missionários/as MISERICORDIOSOS do Senhor, desejamos boas vindas e saudamos a todos, fraternalmente, em Cristo. SUA PRESENÇA É MUITO IMPORTANTE.

          Dom Juventino Kestering                       Irmã M. Ivone Hofer
                Bispo Referencial                           Coordenadora Regional


Rosto paterno

Dom José Alberto Moura
Arcebispo de Montes Claros (MG)


É difícil falar de Deus na nossa linguagem humana. Mas, chamar a Deus de Pai, foi o próprio Filho, mandado por Ele, com forma ou natureza humana, que nos ensinou a chamá-lo assim. Apesar disso, temos também, na figura feminina, o modo humano de chamarmos e termos as qualidades divinas também maternas.
Deus é superior à nossa modalidade de nos relacionarmos com Ele. Mas, em nossos limites, apesar de filhos, por dádiva de filiação adotiva, temos na figura do pai uma relevância muito importante na formação da família. Muitos querem, dentro do naturalismo, relativizar de modo excessivo, a importância do pai. No entanto, seu papel é intimamente exercido para a formação da personalidade dos filhos, a ponto de lhes dar segurança afetiva, social e exemplar educação deles, juntamente com a esposa. Isso é um dado da natureza da família, que, bem desenvolvida, coloca as bases da formação do caráter e da sustentabilidade do equilíbrio humano-afetivo de todos na família. Quando a paternidade é bem exercida, temos chance de boa imitação e orientação de filhos saudáveis.
O rosto paterno de Deus se mostra aos filhos que somos, de modo amoroso e compassivo, a ponto de termos nele a segurança total de vida bem encaminhada e de felicidade plena para todos. Ele nos criou para sermos sua imagem e semelhança. Nosso esforço para seguir suas instruções e também o imitarmos para amar e construir a vida de convivência humana, leva-nos a desenvolver muitas virtudes. Dentre elas se destacam a compaixão, a misericórdia, a promoção da justiça e do bem comum. Com isso seremos recompensados já aqui na terra, e, depois, com o prêmio eterno. Nosso desafio é aceitar a paternidade divina com correspondência ao amor de Deus.
Quando realmente fazemos a experiência de intimidade do amor divino, tornamo-nos pessoas que também mostram a face amorosa de Deus para o semelhante. Os outros nos vêem como pessoas do bem, com colaboração para um convívio de promoção do semelhante, a partir de iniciativas de inclusão social, do interesse por ajudar quem é mais carente social, econômica e espiritualmente. Desta forma, comportamo-nos como gente altruísta e de colaboração com a promoção humana, com o serviço ao bem comum e solidária com a causa dos mais fragilizados, como o próprio Deus é misericordioso conosco, qual pai do filho pródigo.
Na conversa com Abraão Deus prometeu-lhe não destruir as cidades de Sodoma e Gomorra se encontrasse nelas ao menos dez pessoas de bem. Mas só encontrou o sobrinho dele, Lot, com a mulher Sara (Cf. Gênesis 18,20-32). Deus quer nosso bem e que nos salvemos da vida sem sentido e tenhamos depois a recompensa. Mas precisamos fazer da cidade terrestre um convívio conforme o projeto divino. Ele a todo momento nos adverte, em nossa consciência, através de pessoas de boa consciência, de sua Palavra e de sua Igreja, a assumirmos os valores inerentes às leis próprias da natureza e os revelados por seu Filho. Ele  nos mostra a face do Pai.
O que em nós ainda não se amoldar com o projeto do Pai, é sepultado e mudado pelo batismo, que nos faz limpos espiritualmente e nos torna parecidos com Ele para vivermos a vida convertida para o amor (Cf. Colossenses 2,112-14). Somos santificados por Ele, que é santo e nos faz inserir em seu Reino. Assim, superamos a tentação de vivermos somente pensando em nós egoisticamente, com as conseqüências de pecado e iniqüidade. Somos convertidos para uma vida santificada e de promoção do bem de todos, conforme o próprio Jesus nos ensina no “Pai nosso” (Cf. Lucas 11,1-13).

Papa Francisco grava vídeo-mensagem para jovens da Jornada Mundial da Juventude

O Vaticano divulgou na terça-feira, 19, vídeo-mensagem do papa Francisco por ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que ocorrerá em Cracóvia, de 26 a 31 de julho. 
No vídeo, o papa agradece os jovens poloneses que há muito tempo estão se preparando, sobretudo com a oração, para o grande evento de Cracóvia. “Já está próxima a trigésima primeira Jornada Mundial da Juventude, que me chama a encontrar os jovens de todo o mundo, reunidos em Cracóvia, proporcionando-me também a feliz ocasião de encontrar a amada nação polonesa. Tudo será vivido sob o signo da Misericórdia, neste Ano Jubilar, e com grata e devota memória de São João Paulo II, que foi o artífice das Jornadas Mundiais da Juventude e guia do povo polonês no seu caminho histórico recente rumo à liberdade”, afirma o pontífice.
“Agradeço-lhes de coração por tudo aquilo que estão fazendo e pelo amor com o qual fazem. Desde já os abraço e os abençoo”, enfatiza Francisco.

Rosto da Misericórdia

Ainda na mensagem, o papa Francisco abençoa os jovens de várias partes da Europa, África, América, Ásia e Oceania. “Abençoo também os seus países, seus anseios e seus passos rumo a Cracóvia, para que seja uma peregrinação de fé e fraternidade. Que o Senhor Jesus lhes dê a graça de experimentar em si mesmos esta sua palavra: Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”, diz.
“Sinto um grande desejo de os encontrar para oferecer ao mundo um novo sinal de harmonia, um mosaico de rostos diferentes, de tantas raças, línguas, povos e culturas, mas todos unidos no nome de Jesus, que é o Rosto da Misericórdia”, afirma.
Ao finalizar, o papa exorta para que todos continuem unidos na oração. “Queridos irmãos e irmãs, envio-lhes esta mensagem como penhor do meu afeto. Permaneçamos unidos na oração. Nos vemos na Polônia!”.
Confira a vídeo-mensagem na íntegra.

Com informações e foto da Rádio Vaticano

"Demos um passo importante na caminhada da Pascom nacional”, afirma dom Darci

Encontro Nacional da Pascom abordou o tema “Comunicação e Liturgia”
Mais de 900 agentes da Pastoral da Comunicação (Pascom) e da Pastoral Litúrgica participaram do 5º Encontro Nacional da Pascom, realizado em Aparecida (SP), entre os dias 14 e 17 de julho. Durante quatro dias de evento, os participantes refletiram sobre o tema “Comunicação e Liturgia”. Foram realizadas conferências, celebrações, seminários, visita guiada ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida e trabalhos em grupo. O arcebispo de Diamantina (MG) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Darci José Nicioli, ressaltou a transversalidade da Pastoral, avaliando a realização como um “passo importante na caminhada”.
"Este encontro reafirmou, com ampla participação e entusiasmo, a transversalidade da Pastoral da Comunicação. Existimos para servir as outras pastorais da Igreja. Precisamos, cada vez mais, nos qualificarmos para ajudar as outras pastorais no enfrentamento do santo desafio de comunicar Jesus Cristo, com eficiência e fervor”, disse dom Darci.
O arcebispo reiterou que a missão da Pascom está “estreitamente vinculada à evangelização” e alegrou-se pelos momentos de estudo, debate e celebração durante o Encontro.
"Demos um passo importante na caminhada da Pascom Nacional. Saímos daquela necessária fase de apresentar apenas temas internos da própria Pastoral e já trouxemos, para esse encontro, um tema que é sinal para a Pascom caminhar em outras direções. A resposta dos agentes foi ótima e nos sentimos fortalecidos para dar novos passos", avaliou dom Darci.
“Comunicação e Celebração Litúrgica”, “Comunicação e Anúncio da Palavra”, “Comunicação e Linguagem Visual” e “As novas tecnologias e a Liturgia” foram as conferências propostas durante o encontro, ministradas por especialistas em liturgia e comunicação. Foram eles o doutor em Liturgia e professor no Instituto Franciscano de Petrópolis (RJ), frei José Ariovaldo da Silva; o professor de Comunicação Luiz Eduardo Baronto; o assessor do Setor Espaço Litúrgico da CNBB e mestre em Liturgia, padre Thiago Faccini; e o jornalista e doutorando em Ciências da Comunicação, Moisés Sbardelotto.
Durante o 5º Encontro Nacional da Pascom os participantes ainda vivenciaram as celebrações da Misericórdia e Mariana, realizaram visita guiada à Basílica de Nossa Senhora Aparecida e fizeram trabalhos em grupo. Um monólogo sobre a história de Santa Teresinha de Lisieux, apresentado pela atriz Gabriela Cerqueira, marcou a noite cultural de sábado.

Mensagem

O arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), cardeal Orani João Tempesta, que é membro da Comissão para a Comunicação da CNBB, não pôde ir ao encontro, mas enviou uma mensagem aos participantes destacando a importância do tema “nestes tempos de mudança de época e de linguagem”. Para ele, a linguagem das novas gerações questiona na maneira correta de a Igreja transmitir a fé católica, “tornando-a inteligível a um mundo cada vez mais dinâmico como o que vivemos”. Por isso, continua, “a autêntica comunicação na liturgia passa pela coerência entre o falar e o agir, entre o celebrar e o nosso cotidiano”.
Dom Orani recordou que as questões entre liturgia e comunicação foram as motivadoras do início da elaboração do Diretório de Comunicação, há 15 anos, e que os dois primeiros documentos conciliares - a Constituição Sacrossanctum Concilium e o Decreto Inter Mirifica - sobre os meios de comunicação – “necessitam sempre de um diálogo franco e produtivo”. 
“Na vivência da liturgia, os sacramentos, mormente a Eucaristia é um importante canal interativo para a relação de fé e amor incondicional que mantemos com o Pai. Por isso, seus ritos e conteúdos precisam ser compreendidos com a mais absoluta clareza por todos nós, irmãos em Cristo”, refletiu o cardeal.

Participação

O assessor da Comissão Episcopal para a Comunicação da CNBB, padre Rafael Vieira, que coordenou o encontro, avaliou como “excepcional” o evento, que teve participação de representantes dos 18 regionais da Conferência. “Uma demonstração explícita de que a Pascom quer seguir unida em todo o país”, afirma o padre. 
Padre Rafael conta que a parte de formação do encontro foi profunda. “Os especialistas que vieram nos ajudar trouxeram conteúdos muito importantes para diálogo entre comunicação e liturgia”, ressalta 
A estrutura do encontro ajudou na participação de todos, de acordo com o assessor. Na proposta, os coordenadores regionais da Pascom foram responsáveis por conduzir e animar o evento. 

Material

Dada a relevância da temática, a Comissão irá recolher as contribuições dos conferencistas para disponibilizar a todos os participantes e também aos que se interessarem pelo tema. “Esperamos poder expor esse material no novo site da Pascom Nacional que vai estar no ar em agosto”, adianta padre Rafael.

Muticom

No encerramento do 5º Encontro Nacional da Pascom aconteceu o lançamento do site do 10° Mutirão Brasileiro de Comunicação (Muticom). As informações e novidades da iniciativa, que acontecerá no ano de 2017, entre os dias 16 e 20 de agosto, em Joinville (SC), já estão disponíveis no portal oficial do evento (www.muticom.com.br).
Com fotos de Luiz Fernando Garcia, Carlos Daniel Souza e Pascom de São José dos Pinhais

Pe. Rodolfo Lunkenbein e Simão Bororo – 40 anos de entrega, profecia e memória


A Inspetoria Missionária Salesiana de Campo Grande, salesianos, membros da Família Salesiana e vários representantes de órgãos da Igreja e da sociedade que trabalham em defesa dos indígenas, celebraram no dia 15 de julho, a memória dos 40 anos do martírio do salesiano Pe. Rodolfo Lunkenbein e do índio da etnia Bororo, Simão Cristino Koge Kudugodu (Simão Bororo) na reserva indígena Meruri – a cerca de 450 km de Cuiabá (MT).
A celebração foi presidida pelo bispo de Barra do Garças (MT), Dom Protógenes Luft. O presidente da Missão Salesiana de Mato Grosso (MSMT), Pe. Gildásio Mendes dos Santos, fez a homilia da missa, destacando a importância da memória do martírio para toda a Igreja. “Neste ano tão importante que o Papa Francisco nos convida para celebrar e abraçar a misericórdia e respondendo aos apelos do Reitor-Mor na estreia para 2016: “Com Jesus percorramos juntos a aventura do Espírito”, o testemunho de fé em Jesus Cristo do Pe. Rodolfo e a aliança de sangue entre o sacerdote e o indígena, convidam-nos para renovar profundamente nosso amor a Jesus Cristo e sermos discípulos-missionários para os outros, como viveu e testemunhou nosso pai Dom Bosco”, ressaltou.
Entre os participantes da homenagem estavam pessoas da comunidade indígena que conheceram pessoalmente o Pe. Rodolfo Lukenbein e familiares do Simão Bororo. Os ritos iniciais tiveram início no cemitério onde o missionário e o índio foram sepultados. Logo após o ato penitencial, os participantes seguiram em procissão até a Praça dos Mártires. Durante o percurso, os Bororos seguiram com rituais religiosos típicos de sua cultura. Ao chegarem à praça, houve a continuidade da liturgia. Após a missa, a comunidade Bororo apresentou danças típicas e interpretou o “Hino da caminhada dos mártires”, de Dom Pedro Casaldáliga, e o “Hino Rodolfo e Simão, vidas pela vida”, escrito pelo Pe. Osmar Bezutte, sdb.
Nos dias 16 e 17 de julho foi realizada a tradicional Romaria dos Mártires da Caminhada, em Ribeirão da Cascalheira (MT), na qual Pe. Rodolfo e Simão também foram lembrados.

Processo de Martírio


Ao celebrar os 40 anos, a MSMT seguiu as orientações do Postulador Geral para as Causas dos Santos da Congregação Salesiana, Pe. Pierluigi Cameroni, e introduziu o pedido oficial da causa do martírio do Pe. Rodolfo e de Simão Bororo.
No dia 3 de junho, o Reitor-Mor da Congregação Salesiana, Pe. Ángel Fernández Artime confirmou o início do processo de martírio em carta enviada ao presidente da MSMT.  “Com alegria comunico que a nossa Sociedade Salesiana de São Francisco de Sales se constitui como autora na promoção da causa de martírio do Pe. Rodolfo e de Simão Bororo, assumindo as suas responsabilidades morais e econômicas junto à competente diocese de Barra do Garças e a Congregação das Causas dos Santos em Roma”, escreveu o Reitor-Mor.
Para o Pe. Gildásio, o processo de martírio é de grande importância neste momento histórico de mudanças na sociedade e na Igreja e de desafios na promoção da vida, da fé, dos valores humanos e cristãos. “A celebração dos 40 anos e a confirmação do Reitor-Mor de que a congregação assume como autora da causa de martírio convida-nos a refletir seriamente sobre a radicalidade da nossa fé, da nossa opção fundamental e fiel a Jesus Cristo e sobre nosso compromisso incondicional com o Reino de Deus a serviço dos outros”.

Revista especial

Outra iniciativa da Inspetoria Salesiana de Campo Grande foi a elaboração e a distribuição de uma revista especial. Em edição única e com mais de 100 páginas, a publicação contém artigos, depoimentos, cartas, fotografias, cartas escritas pelo próprio Pe. Rodolfo e crônicas dos fatos de Meruri que levam o leitor ao entendimento de todo contexto social e histórico da época.

Um dos depoimentos da revista é a do bispo Dom Pedro Casaldáliga sobre a atuação do Padre Rodolfo como missionário:  “Eu tenho a impressão clara, convicta, de que o Padre Rodolfo foi o missionário ad Gentes completo e, concretamente, missionário ad Gentes do Terceiro Mundo, dos pobres, dos povos indígenas. Ele se doou totalmente; se encarnou e doou todas as suas capacidades espirituais, técnicas, o seu jeito, o seu sorriso, o seu olhar transparente, o coração grande, como o próprio corpo. Uma dedicação sempre esperançada. O Padre Rodolfo não conhecia o desânimo, não conhecia rupturas na sua dedicação. Padre Rodolfo no trabalho do dia a dia.” 


Fládima Christofari
Missão Salesiana

Regional Oeste 2 da CNBB lança subsídio de reflexão

Já está em nossas paróquias o subsídio de reflexão do Regional Oeste 2 da CNBB.  Este subsídio vai de agosto a novembro de 2016 e deve ser trabalhado em todas as paróquias, pastorais, movimentos e serviços da Igreja regional. O material oferece 13 encontros e 2 celebrações com uma metodologia apropriada para grupos de reflexão. Os encontros do mês de agosto contemplam a questão das relações entre vocação e família, segundo as orientações do Papa Francisco na “Amoris Laetitia”; os encontros de setembro trazem a relação da missão com a Palavra de Deus por ser o mês da Bíblia; o mês de outubro apresenta uma sequência de temas muito importantes sobre a Igreja no RO2 e suas Diretrizes; conclui-se com os encontros do mês de novembro e a celebração da misericórdia encerrando os trabalhos do subsídio. É importante que todos os seguimentos pastorais da Igreja nas paróquias estejam atentos a este material evangelizador.

Procure na sua paróquia e faça uma evangelização abençoada e dentro das propostas do nosso Deus Trindade Santa.

Select Menu