CENE

INFORMATIVO

CALENDÁRIO

GALERIA DE FOTOS

SECRETÁRIO

WEBTV

WEBRÁDIO

BÍBLIA ONLINE

CONTATO

Regional Oeste 2

Destaques CNBB

Padre Jair Fante

Kota

Assembleias

Biografia dos Bispos

Campanha Missionária 2016 refletirá sobre cuidado com a ecologia

Cartaz foi apresentado pelas Pontifícias Obras Missionárias 
A Campanha Missionária em 2016 traz como tema “Cuidar da Casa Comum é nossa missão”, em sintonia com as reflexões da Campanha da Fraternidade Ecumênica deste ano.  O lema “Deus viu que tudo era muito bom” (Gn 1, 31) é extraído do livro do Gênesis.  A atividade acontecerá no mês de outubro, com Coleta do Dia Mundial das Missões, no penúltimo fim de semana do mês, dias 22 e 23.
No contexto da CF 2016, a temática busca refletir sobre a preocupação com a ecologia, o sofrimento dos pobres e a exploração da Terra, a partir do compromisso com a missão de cuidar da vida no planeta. 
O cartaz da Campanha Missionária 2016 mostra a integração que existe na “Casa Comum”. A arte destaca o tronco de uma árvore no formato de uma mão enraizada na terra. A mão, por sua vez, representa cuidado e proteção, bem como, a participação humana na obra da criação. A ideia é realçada pelas cinco folhas da árvore contendo cenários de cuidado nos cinco continentes. As cores missionárias estampadas no caule das folhas recordam a dimensão universal da missão. 
Com a proposta de animar a Campanha, as Pontifícias Obras Missionárias (POM) estão preparando alguns subsídios: cartaz; novena missionária; mensagem do papa para o Dia Mundial das Missões; oração missionária; DVD com testemunhos missionários; orações dos fiéis para os domingos de outubro; envelopes para a Coleta do Dia Mundial das Missões e seis versões de marcadores de páginas.

Solenidade de Corpus Christi na Arquidiocese de Cuiabá

A Arquidiocese Metropolitana de Cuiabá, MT  se prepara para a Solenidade de Corpus Christi – Festa do Corpo de Deus – aos 26 de maio/2016 – feriado e Dia Santo: Quinta-feira!


O QUE É ‘CORPUS CHRISTI’É a manifestação pública da fé católica na presença real de Jesus Cristo na Eucaristia – a Santa Missa. Este foi o pedido de Jesus na última Ceia com os Apóstolos: “Fazei isto em minha memória!” – Fazer Memória é mais do que uma lembrança. ‘Jesus  ressuscitou’, então, ser presença como ressuscitado significa que realmente Ele está no meio de nós quando participamos  da Santa Missa.



PROGRAMAÇÃO - Concentração a partir das 15h00

GINÁSIO POLIESPORTIVO SÃO GONÇALO/COLÉGIO SALESIANO
PARÓQUIAS: Universitária São José Operário, Catedral, São Gonçalo, São João Bosco, Santuário Eucarístico Nossa Senhora do Bom Despacho, Nossa Senhora da Guia (Coxipó), Nossa Senhora Medianeira, Nossa Senhora de Guadalupe, Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, Santuário Nossa Senhora Auxiliadora, Comunidade do ´Memorial Papa João Paulo II, RCC, MSM, OVISA, ECC...
15h00  -  Concentração no Ginásio Poliesportivo São Gonçalo (Colégio Salesiano): Confissões, Cenáculo, Animação com cantos...
17h00  -  Solene Concelebração da Santa Missa 
18h30  -  Procissão com o Santíssimo Sacramento até à Catedral
CONVOCAÇÃO
A ARQUIDIOCESE DE CUIABÁ CONVOCA os Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão, Catequistas, Leitoras, Acólitos (Coroinhas) das Paróquias e Comunidades; todas as Pastorais, Movimentos e Organismos da Arquidiocese de Cuiabá; e, a Sociedade Católica... para  este momento de fé,  amor e esperança!

Arquidiocese de Cuiabá acolherá a Coord. Nacional e Coordenadores de Setor de MT, MS, GO e DF

Nova coordenadora nacional da Pastoral da Criança participa de encontros em todo o país.
Para que as crianças tenham vida plena garantida. É por este motivo que a Pastoral da Criança atua em todo o Brasil, acompanhando mais de 1 milhão de crianças e 61 mil gestantes, garantindo o cuidado durante toda a primeira infância: deste o ventre materno até os 6 anos de idade. E para que isso aconteça, mais de 180 mil voluntários estão mobilizados, sendo que 99 mil fazem o trabalho de visitas mensais e dão orientações sobre saúde e desenvolvimento a todas as crianças acompanhadas.
Encontro será no CENE entre os dias 26 e 29 de maio/2016.

Com a intenção de fortalecer a missão e trocar experiências, a Pastoral da Criança volta a realizar, durante o primeiro semestre de 2016, os Encontros Regionais, que reúnem coordenadores da entidade em nível estadual, regional e diocesano. “Queremos ouvir o que as bases mais precisam para melhorar na missão”, explica a coordenadora nacional, Irmã Veneranda Alencar, que deve comparecer nos sete encontros – que iniciaram em março e devem acontecer até julho. O próximo Encontro Regional acontece entre os dias 26 e 29 de maio, reunindo coordenadores dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e do Distrito Federal.
Irmã Veneranda, que foi oficialmente nomeada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para a função durante o mês de março, pode, com os Encontros Regionais, conhecer de perto como está o andamento da entidade em cada região do país. O primeiro encontro da nova coordenadora com os voluntários aconteceu em Belo Horizonte, quando foram reunidos participantes dos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, no mês de março. “O primeiro sentimento [como coordenadora] é de gratidão a Deus por esta bela missão na Igreja. Sinto alegria, força na missão, ânimo e muita fé, pois estas lideranças se renovam e isso nos renova também”, afirma. As regiões Sudeste, Sul e Norte também já receberam a visita da coordenadora.
Desafios atuais
Para a coordenadora, o maior problema a ser enfrentado no momento pela Pastoral da Criança é conseguir novos voluntários, em especial os líderes comunitários que fazem o acompanhamento das crianças. E este é um dos propósitos com os encontros. “Esta escassez de voluntários não é só na Pastoral da Criança, mas em todas as pastorais. Acredito que, com fé em Deus, o entusiasmo e compromisso dos lideres atuantes, o apoio de nossos pastores, padres e bispos, a cada dia podemos despertar novas lideranças”, aponta.
Além desta pauta, os encontros se dedicam ainda a fazer uma análise de cada região a partir de indicadores locais, consolidar ações permanentes, como a do articulador de saúde, que faz a ponte entre a comunidade e o Conselho Municipal de Saúde, além de debater novas atividades da entidade, como o Acompanhamento Nutricional - ação que promove um perfil nutricional mais completo das crianças acompanhadas, e que está em fase de expansão para todo o país.

Iniciativa recorda os 40 anos da CPT

Instituição foi fundada em 1975
A Comissão Pastoral da Terra (CPT) lançará, no dia 1º de junho, a Campanha Nacional em memória aos 40 anos de atuação da entidade. O ato antecede o "Encontro Brasileiro dos Movimentos Populares em diálogo com o Papa", que acontecerá entre os dias 2 e 5 de junho, no Centro de Convenções da Prefeitura de Mariana (MG).
De acordo com informações da CPT, fazer memória da história da Pastoral da Terra é levar as pessoas a perceberem a presença das batalhas travadas no campo, nas cidades e no Congresso Nacional, em suas vidas cotidianas. “É realizar o ato político de lembrar de todas e todos que lutaram pelos direitos dos povos do campo, das comunidades indígenas e quilombolas; pelo direito à vida, à terra e às águas”. 
A Pastoral ainda define a celebração como “um ato de justiça”. “Não apenas por aqueles que aqui estão, que continuam na lida, nem pelos que já se foram (seja pelas mãos do tempo ou pelas mãos da covardia), mas especialmente àqueles que ainda hão de chegar”, consta em um comunicado.

Campanha

Desde o dia 3 de maio, a CPT realiza ações de comunicação relacionadas à Campanha dos 40 anos. Entre as atividades, há uma série de publicações em três diferentes eixos temáticos, "Memória", "Abrindo Porteiras" e "Histórias". Neste primeiro mês, o eixo "Memória" procurou resgatar e difundir a lembrança daqueles que participaram da trajetória da CPT, divulgando conteúdos nos canais online da entidade, entre eles o site, a página no Facebook, o perfil no Twitter e o canal de vídeos no YouTube. 
A CPT informa que o evento em Mariana marca a abertura da segunda fase da Campanha, que trabalhará o eixo temático "Abrindo porteiras". Entre as ações previstas para esse mês, estão os  debates online sobre o tema "Trabalho Escravo Contemporâneo", que contará com a participação de importantes articuladores e defensores dos direitos humanos.

Movimentos populares

No "Encontro Brasileiro dos Movimentos Populares em diálogo com o Papa" serão discutidos temas como meio ambiente, mineração, terra, trabalho, reforma política, território e moradia. O encerramento do evento será marcado por um ato público. A expectativa é que pelo menos 400 pessoas estejam presentes e participem do Encontro. 

Histórico

A CPT surgiu em 1975 com o propósito de enfrentar a violação dos direitos de povos indígenas e de comunidades de posseiros que tinham seus territórios invadidos por grandes empresas que se estabeleciam na Amazônia. Dez anos depois começou a publicação do caderno “Conflitos no campo” com informações de assassinatos, ameaças e violência relacionados às questões da terra, da água e trabalhistas. Em 31 anos da publicação, foram registradas mais de 30 mil ocorrências.

Jornada Diocesana da Juventude da Diocese de São Luiz de Cáceres

Com muita alegria a juventude da Diocese de São Luiz de Cáceres se reunirá nos dias 18 e 19 de junho de 2016 para celebrarmos a 7º Jornada Diocesana da Juventude (JDJ).
Desde o ano de 2010 a juventude celebra esse momento que reúne todos os jovens das 25 paróquias da Diocese, o público alvo são os jovens que estão engajados em algum serviço de evangelização pastoral ou de movimento juvenil na Igreja, mas também é um convite para que outros jovens conheçam a Igreja.
Desde a primeira até a quinta foram comemoradas na Cidade de Cáceres, a partir do ano de 2015 foi sediada pela Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima em Araputanga e esse ano será pela Paróquia Nossa Senhora Aparecida, Mirassol D'Oeste.
O Setor Diocesano da Juventude, juntamente com o Bispo e o Pe. Assessor Diocesano da Juventude são responsáveis pelas JDJs. 
O objetivo principal do evento é reunir todos os jovens do setor juventude em um lindo momento de comunhão e Evangelização Juvenil com Celebrações Eucarísticas, procissão luminosa, show católico, catequeses, confissão, apresentações culturais e muita alegria tendo o jovem como protagonista. 
Os temas das JDJ são sempre escolhidos pelo papa e, para este ano, Papa Francisco escolheu como tema “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia (Mt 5,7).
Neste ano teremos a presença da imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida, que está em peregrinação na diocese em comemoração aos 300 anos de aparição. A imagem de Nossa Senhora será levada em procissão com uma réplica da Cruz Peregrina, lembrando os ícones religiosos da Jornada Mundial da Juventude.
Durante a procissão luminosa, antes do show e nos intervalos das catequeses os jovens estão preparando várias apresentações culturais com temas ligados: ao Ano Santo da Misericórdia, aos 300 anos, a Campanha da Fraternidade 2016, ao Dia Nacional da Juventude, a Família, entre outros temas livre que serão apresentados por meio de danças, músicas apresentadas pelos jovens das diferentes paróquias.
No sábado a celebração de acolhida ocorrerá na Paróquia São Paulo, após a missa e a procissão teremos o show católico da Banda Amados do Eterno que ocorrerá no Centro Comunitário Jesus de Nazaré, na Paróquia Nossa Senhora Aparecida. 

Durante o domingo, o evento permanecerá no centro comunitário, onde ocorrerão as catequeses, continuação das apresentações culturais, confissão e missa de envio no final da tarde. Durante todos os momentos estarão conosco nosso bispo diocesano D. Antônio Emídio Vilar e o Pe. Celso Ferreira de Jesus assessor diocesano do setor juventude.

Construir pontes e não atalhos

Dom Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá (PR)


Diante de todos os fatos que fazem história em nosso país, e fazem toda a nação permanecer perplexa sem saber o que vai acontecer, nasce em todos nós um sentimentos de insegurança e instabilidade que não contribui em nada. Por outro lado não dá pra ficar em cima do muro esperando acontecer, é preciso agir, buscar, fazer a nossa parte e acreditar que pessoas mudam e mudanças são necessárias.
A nossa confiança vem do Senhor: “Colocai em mim todas as vossas preocupações” (Mt 11,28); porém em tempos difíceis, sempre esperamos tempos melhores. A Palavra de Deus nos alerta: Maldito o homem que confia no homem” (Jer 17,5). Como diz o dito popular: “Confie sempre, mas com um pé atrás”.
Em tempos difíceis, um caminho prudente e eficaz é buscar ajuda, pedir socorro, somar forças, construir pontes que conduzam a um objetivo comum, a uma meta segura para todos. Recordo as palavras do Papa Francisco quando da sua eleição ele dizia: “Um dos títulos do Bispo de Roma é Pontífice, isto é, aquele que constrói pontes, com Deus e entre os homens.
Desejo precisamente que o diálogo entre nós ajude a construir pontes entre todos os homens, de tal modo que cada um possa encontrar no outro, não um inimigo nem um concorrente, mas um irmão que se deve acolher e abraçar. Neste trabalho, é fundamental também o papel da religião.
Com efeito, não se podem construir pontes entre os homens, esquecendo Deus; e vice-versa: não se podem viver verdadeiras ligações com Deus, ignorando os outros.
Por isso, é importante intensificar o diálogo entre as diversas religiões, para que jamais prevaleçam as diferenças que separam e ferem, mas, embora na diversidade, triunfe o desejo de construir verdadeiros laços de amizade entre todos os povos”.
Esse é o maior desafio de toda sociedade, das igrejas, das religiões. É inconcebível para os tempos modernos, viver de concorrência na política, na Igreja, entre as religiões.
Em nenhum setor da convivência humana deve existir o maior, o mais perfeito, o mais importante, o salvador da pátria. Deve primar sempre para ser o melhor, fazer o melhor, buscar o melhor para o bem de todos, onde todos tenham o direto de ser e se manifestar, sem concorrência ou privilégios.
Na medida em que cada um busca a própria satisfação e a salvação dos seus interesses pessoais, a coletividade sai perdendo. “De que adiante ganhar o mundo inteiro e vier perder a sua alma? (Mc. 8,36).
A maior satisfação é ver a felicidade reinar em todos os corações, onde as necessidades são atendidas e trazem um sentimento de realização pessoal. Por isso toda a liderança está sempre dirigida para a construção do bem comum, sendo o melhor, o mais competente, o mais justo, o mais leal, o mais ético, o mais digno da autoridade que lhe foi confiada.
São tempos difíceis, são tempos para construir pontes, estabelecer laços de igualdade, de viver as diferenças como caminho de encontro, buscando o que nos une e nunca o que nos divide.
A religião tem um papel fundamental nesta nebulosidade política e social, pois precisamos re-ligar a nossa limitada condição humana, com o Pai Deus que nos fez à Sua imagem e semelhança, encontrando nesta relação o sentido verdadeiro do nosso peregrinar terrestre. Sem essa relação com Deus, nos tornamos estéreis, perderemos os valores éticos e morais, a vida não tem sentido, tudo não passa de um sonho. Vamos construir pontes e não atalhos.

Cimi participa do Fórum da ONU sobre questões indígenas

Líderes do Brasil denunciam violações que têm sido praticadas no país
Representantes do Conselho Missionário Indigenista (Cimi), organismo ligado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), participam do 15º Fórum Permanente da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Questões Indígenas. O evento, que teve início no dia 9 de maio e encerra hoje, 20, conta com presença de mais de mil indígenas de todo o mundo.
Durante mais de dez dias, as temáticas em debate concentraram-se na prevenção de conflitos e paz, como também em assuntos ligados à questão da demarcação de terras.
Na ocasião, foi apresentado, pelos participantes do Brasil, o alto índice de suicídios entre jovens Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul. De acordo com a representante da Secretaria Especial de Saúde Indígena, Fabiane Vick, em 2015, foram registrados 45 casos de suicídio no estado.  “Os maiores índices ocorrem entre jovens de 10 a 19 anos. Essa faixa etária corresponde a 61% de todos os casos de suicídio indígena", explicou Vick. 
O Cimi, também, tem denunciado, durante o Fórum, as violências e violações que têm sido praticadas contra os povos indígenas do Brasil. A entidade é representada pelos missionários Laura Vicuña Pereira e Flávio Vicente Machado, que se pronunciaram também no Fórum da ONU. 
“Setores econômicos e políticos anti-indígenas brasileiros atuam fortemente dentro dos três poderes do Estado, com o propósito de colocar em marcha ações contra estes povos”, afirmou a missionária Laura ao plenário do Fórum da ONU, na sexta-feira, 13. 
O líder indígena Eliseu Guarani e Kaiowá participou de reunião com representantes do Escritório de Prevenção ao Genocídio da ONU. Na ocasião, denunciou situações de violência com os povos indígenas no Brasil. 
"Quero denunciar que as violências a que estamos submetidos é igual em todos os países. Não temos o direito de ir e vir, além de nos tratarem como estrangeiros em nosso próprio território. As grandes empresas violam os nossos direitos e os governos nacionais não cumprem com suas normas constitucionais relativas a seguridade e defesa de nossos direitos", afirmou Eliseu Guarani. 
CNBB com informações do Cimi e Rádio Vaticano. 

Select Menu