TEMPO COMUM Respondeu-lhes Jesus: "Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus". (MT 22,29)

INFORMATIVO

Cadastre e receba nosso informativo

28/06/2017 Juventude Missionária do Mato Grosso realiza formação A alegria dos discípulos e missionários tem a sua motivação mais profunda no encontro com Cristo ressuscitado

A alegria dos discípulos e missionários tem a sua motivação mais profunda no encontro com Cristo ressuscitado
“Discípulos missionários para uma Igreja em saída” foi o tema do 4° Encontro de formação para líderes da Juventude Missionária (JM) do Mato Grosso. O “Eljumi”, como é conhecido o evento, aconteceu nos dias 24 e 25 de junho, no Centro Nova Evangelização (CENE) na cidade de Cuiabá (MT) com a participação de 26 jovens das dioceses de Rondonópolis, Barra do Garças, Sinop e Primavera do Leste. Assessorou os trabalhos o secretário nacional da Pontifícia Obra da Propagação da Fé (POPF), padre Badacer Neto.
As reflexões tiveram como base o primeiro capítulo do Texto-base do 4° Congresso Missionário Nacional (4 CMN) que acontecerá em Recife (PE) no mês de setembro. Padre Bacader destacou a necessidade de viver a alegria do encontro com Deus e propagar o Evangelho com essa mesma alegria. “A alegria dos discípulos e missionários tem a sua motivação mais profunda no encontro com Cristo ressuscitado. Esse é o espírito da Igreja em saída que o papa Francisco tanto nos pede”, recordou padre Badacer.
Nesse sentido, o encontro teve como lema o próprio mandato de Jesus: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura’’ (Mc 16,15).
Para que os jovens pudessem vivenciar o texto, padre Badacer seguiu a dinâmica do ver, julgar e agir, finalizando com as perguntas sobre o conteúdo do primeiro capítulo: 1) O que se entende por “alegria” e como ampliar essa compreensão na perspectiva do Evangelho? 2) Quais as periferias geográficas e existenciais necessitam de maior atenção e como fazer-se presente nessas realidades com a alegria do Evangelho? 3) Como articular o cuidado pastoral com a nova evangelização e com a missão ad gentes (aos povos)?
Em grupos, os jovens fizeram propostas e contribuições que podem ser realizadas pela Juventude Missionária, como por exemplo, assumir as missões paroquiais, diocesanas e estaduais como um incentivo para os jovens almejarem missões nacionais e ad gentes.
A programação incluiu momentos de orações como o Terço luminoso e a missa. Serviu ainda para, em conversa com o padre Badacer, compor uma equipe de formadores estaduais tendo presente as distâncias entre as dioceses. Coordenador estadual: Jonas Molinari Araújo, da diocese Sinop; vice-coordenador: Diego Barros da Diocese, de Sinop; assessores: Eduardo Krampfert, da diocese de Rondonópolis, Monique Schwarz, da diocese de Sinop e Kamyla Stinghen, da diocese de Primavera do Leste; secretários: Lucas Souza e Sara Natyele Leite, ambos da diocese de Barra do Garças.
Para a jovem Kamyla Stinghen, da diocese de Primavera do Leste, a 240 quilômetros de Cuiabá, “a distância não contou muito comparado ao desejo de conhecer o trabalho da JM no Mato Grosso. Foi uma experiência incrível. Desde a minha chegada fui bem acolhida pelos jovens missionário de vários lugares. Foram dias dinâmicos com momentos de oração. Estou saindo ciente de como é ser verdadeiramente missionária e como é importante o pedido do papa Francisco por uma Igreja em saída. Sei que posso contribuir de alguma forma com a missão que Jesus nos deixou”, testemunha a jovem.
“Para mim foi uma experiência incrível, algo realmente novo e transformador em minha vida”, disse o jovem Lucas Silva, da diocese de Barra do Garças. “Tive o prazer de conhecer o padre Badacer. Uma de suas frases vou levar comigo sempre: ‘o ápice da alegria é quando nós conseguimos fazer um encontro pessoal com Cristo’, destaca Lucas.
“Nestes dias eu pude experimentar essa alegria. Entre os momentos de oração, um em especial me tocou profundamente. Durante uma dança circular feita pelos jovens eu consegui mergulhar fundo em minhas orações e por um breve momento pude desfrutar desta alegria que o padre havia falado. Após essa experiência, o ardor missionário reacendeu de tal forma que ao abrir os meus olhos passei a ver o mundo de uma maneira diferente, com mais carinho, amor e misericórdia. O espírito missionário está mais vivo em meu coração”, afirma o jovem.

Com informações da JM do Mato Grosso.