TEMPO COMUM Respondeu-lhes Jesus: "Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus". (MT 22,29)

INFORMATIVO

Cadastre e receba nosso informativo

30/09/2016 Diocese de Juína celebrou o DNJ Dia Nacional da Juventude aconteceu na cidade de Juruena

pj-06Em consonância com a Campanha da Fraternidade 2016, celebramos na Diocese de Juína, na cidade de Juruena o Dia Nacional da Juventude com o tema: Juventude e nossa casa comum. O DNJ procura sempre mostrar a juventude caminhos em que a dignidade da pessoa humana é fundamental, caminhos que orientam e conduzem a construção da Civilização do Amor. São mais de 30 anos que a Pastoral da Juventude no Brasil organiza e celebra esse dia, tradicionalmente no ultimo final de semana de Outubro, mas devido nossa realidade com as estradas, nossa Diocese antecipa para Setembro.
O DNJ desse ano tem profunda inspiração na Encíclica do Papa Francisco, Laudato Si, que reflete o cuidado com a nossa Casa Comum. Reflete a pessoa humana como centro da criação, pois, “o nosso corpo é constituído pelos elementos do planeta; o seu ar permite-nos respirar, e a sua água vivifica-nos e restaura-nos” (Laudato si, nº2). É nos dada à missão de zelar pelo jardim de Deus, pela sua criação. A terra é um organismo vivo do qual somos parte dele, fazendo-nos refleti essa Comunhão Universal com a Casa Comum […] “Isto gera a convicção de que nós e todos os seres do universo, sendo criados pelo mesmo Pai, estamos unidos por laços invisíveis e formamos uma espécie de família universal, uma comunhão sublime que nos impele a um respeito sagrado, amoroso e humilde. Quero lembrar que «Deus nos uniu tão estreitamente ao mundo que nos rodeia, que a desertificação do solo é como uma doença para cada um, e podemos lamentar a extinção de uma espécie como se fosse uma mutilação” (Laudato si nº 89).
Em conformidade com a celebração dos 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida, fala desse cuidado da mãe e mais intimamente como no Brasil ela aparece justamente das Águas, nas mãos de um povo sofrido, com a face também refletindo o sofrimento do povo de Deus, “Maria, a mãe que cuidou de Jesus, agora cuida com carinho e preocupação materna deste mundo ferido. Assim como chorou com o coração trespassado a morte de Jesus, assim também agora se compadece do sofrimento dos pobres crucificados e das criaturas deste mundo exterminadas pelo poder humano.” (Laudato si, nº 241).
A partir de toda a realidade existente, é preciso acertar o passo, não condenar os erros do passado apenas, mas é preciso uma urgente Conversão Ecológica, que nos leve a gestos concretos de cuidado com a Criação, “antes de tudo é a humanidade que precisa mudar” (Laudato si, nº 202). Tudo isso manifestado na pessoa de Jesus Cristo, o primogênito de toda a Criação, temos a missão de anunciar “novo céu e nova terra” (Isaias 65, 17).
O DNJ foi marcado por momentos fortes e profundos, com a explanação do tema, a Celebração Eucarística presidida por Dom Neri, Oficinas que trabalharam o Ano da Misericórdia, Laudato Si, Vocação e Espiritualidade, Psicologia e Sexualidade.
Tivemos a participação de vários padres de nossa Diocese, Seminaristas, Assessores e assessoras da Pastoral da Juventude, da psicóloga Carine Silvestrim e a pela primeira vez a participação do Movimento Emaús, e do Ministério Jovem RCC.
pj-07Destacamos a participação de Moraes Cézar Rikbakta, que falou da realidade vivida pelo povo Rikbaktsa frente os projetos de implantação de várias Pequenas Centrais Hidrelétricas ao longo do Rio Juruena. Outro momento marcante foi à caminhada ao longo das ruas de Juruena marcada como Via Sacra da Casa Comum. E o compromisso firmado de cuidado com a Criação.