TEMPO COMUM Respondeu-lhes Jesus: "Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus". (MT 22,29)

INFORMATIVO

Cadastre e receba nosso informativo

01/07/2020 Prece em Ação de Graças marca o fim do trabalho dos freis holandeses em Cáceres

Uma Prece em Ação de Graças na noite desta terça-feira (30) na quadra de esportes da escola, marcou o encerramento da vitoriosa vida de trabalho dos freis holandeses em Cáceres, após 60 anos.

Idosos, eles retornarão ao país de origem. A congregação religiosa a qual pertencem, exigiu o retorno dos três últimos freis que ainda permanecem no Brasil: Gumaru Sterke, 87, Matheus Feyen, 85, Marino, 82.

Por conta da pandemia Covid 19 que assola o mundo, uma grande festividade que estava sendo preparada para despedida dos religiosos, foi cancelada. O próprio ato de despedida cumpriu determinações de segurança e teve capacidade de público reduzida em tão somente quarenta participantes.

Com a presença do Bispo Dom Jaci, padres da Diocese, prefeito Francis Maris, presidente da Câmara Rubens Macedo, professores, ex-professores e alguns convidados, o diretor do Salesiano Santa Maria, padre Sandro dirigiu a cerimônia num misto de saudade e emoção.

Coube ao frei Gumaru o pedido de perdão: “reconhecemos as nossas fraquezas e, se por acaso, cometemos algumas falhas, peço perdão”.

Emocionada a ex-professora Argélia Fanaia, 33 anos dedicados à escola lembrou da atenção e o carinho dispensados pelos freis aos professores e alunos da instituição; comparando o diretor frei Gumaru como “verdadeiro pai”. Eterna gratidão aos freis, disse em tom emocionado.

Dom Jacy, Bispo da Diocese de São Luiz de Cáceres, disse da gratidão pelo magnífico trabalho realizado pelos freis ao longo dos anos. Pedindo a intercessão de Deus, da virgem Maria, do Padroeiro São Luiz que iluminem eles na nova morada. “Levem com vocês as nossas orações e toda gratidão”.

Antes, o padre Sandro Giancolla comparou o trabalho dos religiosos com a parábola da multiplicação dos pães. Cabendo a eles propagar o milagre da multiplicação do saber, o que conseguiram obter com pleno e total êxito em prol da educação em Cáceres numa época de inúmeras dificuldades.

Uma pequena fogueira foi acesa no espaço onde se localizava o antigo campo de futebol da escola, e recebeu às bênçãos.

O festivo ato foi encerrado com os presentes assistindo um vídeo com depoimento de autoridades, professores e ex-alunos da escola e da famosa Fanfarra do Frei Matheus. Cópia que cada um dos freis ganhou de presente do prefeito Francis. Eles que ainda receberam das mãos do padre Sandro um terço de presente.

A viagem de retorno ao país de origem está prevista para meados deste mês. A professora aposentada Adelina Luyten, que reside em Cuiabá, cuida dos detalhes da viagem, principalmente no que se refere as escalas e conexões de voo, quanto menor o transtorno melhor efeito causará aos idosos, sendo essa a preocupação maior.

História

Em 19 de outubro de 1957, o Bispo da Diocese São Luiz, Dom Máximo Biennes, recepcionava em São Paulo, Capital, a chegada dos três primeiros freis holandeses que vinham para promover uma missão educacional no Pantanal Mato-grossense, mais precisamente em Cáceres-MT.

Eram os freis pioneiros a trabalharem no Brasil: Panfílio, Giuseppe e Bertrando, foram eles que deram o marco inicial da promoção de um marcante trabalho educacional que perdurou por mais de 60 anos.

O Instituto Santa Maria – inicialmente Colégio Santa Maria -, inaugurado em março de 1958, cumpriu papel preponderante na promoção de um ensino de qualidade que muito ajudou no desenvolvimento do setor educacional de Cáceres.

Durante as seis décadas de atividade sob o comando dos freis holandeses, a referida instituição foi responsável pela formação de aproximadamente 20 mil jovens, conforme registros de arquivo da escola.

Hoje, após os freis terem cumprido a missão de trabalho em Cáceres, o renomado Instituto Santa Maria é comandado pelos salesianos seguidores de Dom Bosco, tendo como diretor o padre Sandro Giancolla.

Os holandeses durante as décadas que permaneceram na cidade, sempre preocuparam com outros setores da vida da cidade. Eles trabalharam nas obras assistenciais a exemplo da APAE, Hospital O Bom Samaritano, Creche Cenecista, Casa de Abrigo Maria e José.

Fonte: http://zakinews.com.br