TEMPO COMUM Respondeu-lhes Jesus: "Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus". (MT 22,29)

INFORMATIVO

Cadastre e receba nosso informativo

26/06/2020 Pastoral da Sobriedade celebra Dia de Combate às Drogas com atividades online


Há 33 anos, o mundo celebra, no dia 26 de junho, o Dia Internacional de Combate às Drogas ou Dia Internacional contra o Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas. A data foi definida pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em 1987.

No Brasil, a celebração culmina com o encerramento da Semana Nacional Sobre Drogas, promovida pela Pastoral da Sobriedade, organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que este ano elegeu o tema “Sobriedade, compromisso de amor” e o lema: “Amai-vos, também uns aos outros” (João, 13, 34).

Durante a semana, a pastoral realizou algumas atividades online sobre prevenção ao uso do álcool e outras drogas. Além de campanhas com o intuito de diminuir os riscos e prejuízos que o uso abusivo dessas substâncias possa oferecer ao indivíduo e à sociedade.

Dados do Relatório Mundial sobre Drogas 2020 divulgado nesta quinta-feira, dia 25 de junho, pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) mostram que cerca de 269 milhões de pessoas usaram drogas no mundo em 2018 – aumento de 30% em comparação com 2009. Desse total, mais de 35 milhões de pessoas sofrem de transtornos associados ao uso de drogas, por isso a preocupação e ênfase na Semana Nacional Sobre Drogas e no Dia Internacional de Combate às Drogas.

No início da semana, a Pastoral da Sobriedade emitiu uma nota com reflexões sobre a prevenção e os males que a dependência química pode causar. O documento chama ainda a atenção para a urgência da atuação no trabalho de prevenção ao uso abusivo de álcool e outras drogas nas comunidades, fortalecendo os fatores de proteção para assim diminuir os fatores de risco do consumo.

Nesta quinta-feira, 25 de junho, a pastoral realizou em sua página no Facebook uma live com o assessor da coordenação nacional, o agente Luis Carlos Rossini, e um dos fundadores da Mobilização Freemind e presidente no Brasil da Sociedade Internacional de Profissionais da Prevenção e Tratamento do uso de Substâncias, Paulo Martelli. Os convidados bateram um papo sobre as iniciativas que veem sendo desenvolvidas pela Frente de Prevenção no Brasil.

Por causa do isolamento social, a Pastoral da Sobriedade tem feito os encontros virtuais para continuar dando apoio aos que enfrentam o desafio do vício no álcool e outras drogas. Atualmente, a pastoral que conta com mais de 1.400 grupos de autoajuda no Brasil tem sido uma das respostas concretas na prevenção e recuperação. Além disso, esse serviço é uma ação missionária junto às famílias que sofrem com entes queridos viciados.

De acordo com o Relatório Mundial sobre Drogas 2020 da UNODC, a Covid-19 impactou nos mercados de drogas. “Embora seus efeitos ainda não sejam totalmente conhecidos, o fechamento de fronteiras e outras restrições relacionadas à pandemia já causaram escassez de drogas nas ruas, levando ao aumento de preços e à redução da pureza”, destaca o documento.

Nesse cenário, o documento levanta uma questão importante que o aumento do desemprego e a redução de oportunidades causados pela pandemia também podem afetar desproporcionalmente as camadas mais pobres, tornando-as mais vulneráveis ao uso e ao tráfico e cultivo de drogas para obterem sustento, aponta o relatório.

“A crise da COVID-19 e a retração econômica ameaçam agravar ainda mais os riscos das drogas, quando nossos sistemas sociais e de saúde estão à beira de um colapso e nossas sociedades estão lutando para lidar com esse problema”, aponta a diretora-executiva do UNODC, Ghada Waly.

“Precisamos que todos os governos demonstrem maior solidariedade e apoiem, principalmente os países em desenvolvimento, no combate ao tráfico ilícito de drogas e ofereçam serviços baseados em evidências para os transtornos associados ao uso indevido de drogas e doenças relacionadas, para que possamos alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, promover a justiça e não deixar ninguém para trás”, afirmou a diretora-executiva do UNODC.

São diversos os motivos que levam uma pessoa a se envolver ao vício das drogas. A pobreza, pouca educação e marginalização social continuam sendo fatores importantes. Além disso, aponta o relatório, que os grupos vulneráveis e marginalizados também podem enfrentar barreiras para obter serviços de tratamento devido à discriminação e ao estigma.

Com informações do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC)