TEMPO COMUM "Vocês que buscam a justiça na Lei, se desligaram de Cristo e se separaram da Graça." (Gl 5,4)

INFORMATIVO

Cadastre e receba nosso informativo

24/03/2021 Núncio Apostólico no Brasil participa da Reunião do Conselho Permanente

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) iniciou, nesta quarta-feira, 24 de março, o seu primeiro encontro de 2021. A reunião segue de forma virtual até amanhã com sessões pela manhã e à tarde. Na abertura da reunião de hoje, os bispos receberam o novo núncio apostólico no Brasil, dom Giambattista Diquattro, que falou da disponibilidade de a Nunciatura atender os bispos neste tempo de pandemia, por meio de videoconferência.

Núncio Apostólico no Brasil, dom Giambattista Diquattro

Vários temas estão na pauta da reunião, com destaque para a preparação para a 58ª Assembleia Geral da Conferência, que será realizada virtualmente de 12 a 16 de abril. Os bispos já trataram nesta manhã, além da pauta da Assembleia Geral, sobre o pedido de apoio do Ministério Público do Trabalho para a campanha contra o trabalho infantil, da reforma do Estatuto e uma primeira rodada de informes de comissões, regionais e organismos.

Ainda estão na pauta: análises de conjuntura eclesial e social; aprovação de publicação; Assembleia Eclesial do Conselho do Episcopado Latino Americano (Celam); Campanha da Fraternidade 2022; Coletas da Igreja em 2021; encontro de parlamentares católicos; Fundo Nacional de Solidariedade; Missão da Igreja no Brasil no Haiti; entre outros temas.

58ª Assembleia Geral
O arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo, contextualizou que as aprendizagens em relação ao uso das ferramentas digitais “dão condições de realizar a 58ª Assembleia Geral virtualmente”.

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro (RJ) e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado, explicou as peculiaridades e a dinâmica de funcionamento da edição virtual, a proposta de programação e pontuou questões de segurança. Também apresentou os temas já definidos para debate, exposição e deliberação pastoral. Os bispos sugeriram acréscimos de temas para serem trabalhados durante o encontro.

Trabalho Infantil
Seguindo com a pauta, o assessor político da CNBB, padre Paulo Renato Campos, apresentou o pedido de apoio do Ministério Público do Trabalho, por meio da Coordenadoria da Infância, para divulgar e promover regionalmente a campanha contra o trabalho infantil. Os membros do Ministério Público solicitaram apoio para a campanha do dia 12 de junho, quando é celebrado o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, e para a visibilidade durante todo o ano de 2021.

Estatuto
Os bispos também foram informados sobre o processo de reflexão e construção do novo estatuto da CNBB. O subsecretário adjunto de Pastoral da CNBB, padre Marcus Barbosa Guimarães, partilhou que foi concluída a segunda fase do processo, que consistiu na síntese do questionário a partir do texto de reflexão “Um novo Estatuto: sinodalidade de missão”. A terceira fase já foi iniciada com o envio da síntese para os bispos e secretários regionais para que estudem e reajam ao conteúdo, acrescentando e propondo modificações.

Outro membro da comissão que prepara a alteração, padre Danilo Pinto falou sobre a realização de seminários on-line que refletiram sobre critérios e eixos do Estatuto. Padre Danilo detalhou uma síntese das principais conclusões sobre os temas aprofundados na série de webinários realizados pela CNBB por meio do Instituto Nacional de Pastoral Alberto Antoniazzi (INAPAZ) e transmitidos no canal da CNBB no Youtube, entre 1º de outubro e 5 de novembro de 2020.

Informes
Na primeira rodada de informes, bispos partilharam sobre a atuação pastoral no tempo de pandemia, além de iniciativas e projetos em curso.

Segundo momento
Na parte da tarde da reunião do Conselho Permanente, a equipe de análise de conjuntura social pôde recolher contribuições para a elaboração de um texto que será apresentado na próxima Assembleia Geral da Conferência, a ser realizada em abril.

“Estaremos apresentando um texto que abarca diversos cenários para ser apresentado na 58º Assembleia da CNBB. Nós temos a certeza de que a contribuição de vocês possa trazer algo mais completo”, disse o padre Paulo Renato, assessor político e membro da equipe de conjuntura.

Dom Francisco Lima, que também integra a equipe de análise de conjuntura, agradeceu as intervenções feitas pelos bispos e disse, que, com as contribuições seria possível ter algo mais amplo.

Publicações – Ainda durante a reunião, foram tratadas os documentos elaborados pelas Comissões que precisam do aval do Conselho Permanente para a publicação.

Na ocasião, o presidente da Comissão para a Liturgia, dom Edmar Peron, pediu a apreciação dos bispos com relação à publicação de um estudo, preparado pelo Setor Espaço Litúrgico, sobre a reforma das igrejas. Dom Edmar explicou que o texto trata sobre a conservação, adequação e o restauro das Igrejas.

Dom Moacir Silva disse que o texto estava bom e estava de acordo. Já dom Edmilson Tadeu Canavarros dos Santos, bispo auxiliar de Manaus (AM), também concordou com a publicação. “Está bom e penso que como estudo nos ajuda muito a provocar uma reflexão mais profunda sobre essa tema”.

Ao final, todos concordaram com a publicação do texto.

Regionais e Comissões – Também, na parte da tarde, houve um momento de partilha dos regionais e comissões.

Dom Joaquín Pertiñez, do regional Noroeste, falou da dificuldade que o regional está passando, sobretudo, no quesito da crise da saúde pública. Mencionou também as enchentes no Rio Branco, no Acre, e a falta de insumos para a população. “Estamos esperando só a misericórdia de Deus”.

Dom José Gislon, do Sul 3, disse que a realidade lá não era diferente dos demais, sobretudo pela questão da pandemia. “Perdemos muitas lideranças e sacerdotes pela Covid”, disse. O bispo citou, ainda, que a atual realidade os ajudava a olhar mais de perto a presença da misericórdia de Deus. “Peço atenção à questão social: o número de desempregados, a fome, o aumento do custo de vida tem prejudicado a solidariedade. Creio que não podemos deixar o povo de Deus abandonado à própria sorte; e a realidade dos mais pobres é a mais afetada. A Igreja deve ser a motivadora de solidariedade e portadora de esperança”, disse.

Dom José Francisco, do Leste 1, disse acreditar que a situação é critica em todos os lugares. “Por aqui o cuidado é o de mantermos o distanciamento social”, frisou.

Os demais também apresentaram suas questões. A reunião seguiu com outros informes e terá continuidade amanhã, 25, de forma virtual.