TEMPO COMUM Respondeu-lhes Jesus: "Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus". (MT 22,29)

INFORMATIVO

Cadastre e receba nosso informativo

28/03/2020 Mensagem do Bispo de Juína sobre o atual cenário mundial

TOMBAR COM JESUS – LEVANTAR JUNTOS COM ELE

Amados irmãos e amadas irmãs, hoje, em mais um momento de flagelo da humanidade, escrevo para partilhar a realidade e a esperança do mundo em que vivemos. O mundo, o tempo e o espaço é melhor que o vivamos a cada momento, a cada gesto, a cada lágrima, a cada palavra, a cada depoimento, a cada posicionamento, a cada incerteza, a cada insegurança, a cada dúvida, a cada abraço, atentos e vigilantes à expectativa do passo seguinte.

Dirijo-me aos meus irmãos de casa em primeiro lugar, os católicos, bem como, aos cristãos na ordem do Evangelho de Jesus Cristo, Palavra que conforta, consola e espera contra todo desespero pela vitória da fé. Dirijo-me aos irmãos e irmãs de outras denominações religiosas, atentos ao bem que podemos fazer nesta hora tão sensível e incerta. Dirijo-me, enfim, a todos os homens e mulheres, que, de boa vontade, prontos para amar e servir, ajudar e amparar se propõem como bons samaritanos para cuidar de todos.

Entendo que estamos enfrentando um tombo generalizado. O mundo inteiro levou um tombo. Um tombo levou a estrutura política. O modelo econômico tombou de maneira drástica. O modelo de desenvolvimento está tombado. De um jeito ou de outro estamos todos tombados. O difícil é aceitar este tombo. Ainda resistimos tendendo para a teimosia em estarmos de pé. O bem da verdade, estamos todos tombados. Caímos, os pobres, os ricos, os negros, os brancos, os presos, as minorias, os indígenas, a natureza, os homens e as mulheres, os jovens, os simples e os letrados, os operários e as autoridades, os desempregados. Todos somos vítimas do mesmo vírus chamado: egoísmo, ganância, riqueza, idolatria do mercado e do lucro, capital e bens de produção, consumismo, hedonismo etc.

Uma pandemia assola a todos de maneira universal. Somos todos afetados indistintamente. Portanto, a resposta precisa ser universal. Para problemas globais, esforço global e soluções universais. As soluções precisam ser buscadas de maneira conjunta.

A hora é de pensar e investir na prevenção e curar os atingidos de maneira direta. Em primeiro lugar a vida, e, ela depende de investimento econômico. Por isso, a economia essencialmente deve estar a serviço da vida. É hora de os bilionários devolverem para a sociedade que empobreceu os últimos da fila, os fora da lei e do direito. Que a justiça coloque a vida acima de tudo nesta batalha contra o inimigo invisível e mortífero por uma “vida em abundancia para todos”. A função da moeda é circular nas mãos de todos para ir ao mercado, à farmácia etc. O dinheiro não tem sentido e finalidade de ser escondido em bolsas de valores nem em paraísos fiscais. Deve estar a serviço de toda humanidade, serviço, portanto, à vida da pessoa humana em primeiríssimo lugar.

Preocupa-me quando defendemos que o vírus atinge os mais fragilizados, os idosos e doentes. Mesmo que seja verdade, apresenta-se do ponto de vista da economia, sobretudo, na ordem do lucro, como fim maior, um peso para o Estado. A ordem do descarte da maneira mais fria realiza a prática com a sensação de fazer limpa, isto é, eliminar quem causa prejuízo para o sistema camuflado de nazi-fascismo que deseja retornar com outras nuances e facetas.

É tempo de solidariedade. Contra o Corona vírus, aceitemos a alma da solidariedade e o espírito de companheirismo e responsabilidade. Isso não mata, antes faz viver. É tempo de rever nossos paradigmas e nossos conceitos. Precisamos levantar diferentes depois deste tombo. Precisamos interiorizar as lições deste tombo para aprender a lidar com os outros tombos. Oxalá, sejamos capazes de prevenir, adiar e/ou evitar outros tombos com esta magnitude. Certamente nos Tornaremos melhores depois se soubermos meditar as lições deste tombo. Também não podemos levantar apenas alguns. Levantemos com Jesus Cristo no rosto pobre, negro, indígena, jovem, velhinho-idoso, mulher, sem racismo nem xenofobia. Não precisa ter medo do outro. O outro é a glória do Infinito.

Por fim, não nos é permitido o direito de explorar com outra intenção a pandemia/desgraça em detrimento do sofrimento dos mais pobres. Passemos todos por uma transformação radical na maneira de ser e pensar, de conviver e amar. Se tombarmos com Jesus (III, VII e IX Estação da Via Sacra), com Ele levantemos na XV Estação. A caminho do Calvário para a ressurreição e a vitória. Juntos venceremos. Boa Quaresma de conversão, boa quarentena de prevenção e Semana Santa de santificação para todos.

Dom Neri José Tondello.

Bispo de Juína.