TEMPO COMUM Respondeu-lhes Jesus: "Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus". (MT 22,29)

INFORMATIVO

Cadastre e receba nosso informativo

10/05/2017 Fim da vacância para a diocese de São Luiz de Cáceres (MT) que receberá novo bispo O papa Francisco nomeou bispo para a diocese, o padre Jacy Diniz

Acabou o período de vacância para diocese de São Luiz de Cáceres, situada a oeste do Estado do Mato Grosso. Nessa quarta-feira, 10 de maio, o papa Francisco nomeou bispo para a diocese, o padre Jacy Diniz Rocha, do clero de Guanhães, atualmente pároco da Paróquia Santo Antônio, em Coluna (MG)
A diocese estava vacante desde novembro de 2016, quando dom Antônio Emídio Vilar (na foto à esquerda), até então bispo da diocese, assumiu como novo bispo da diocese de São João da Boa Vista (SP).
Com uma superfície de 135.259,9 km2, foi criada em 05 de abril de 1910 pela Bula ‘Novas Constituere’ do Papa Pio X. Desmembrada da então Diocese de Cuiabá, transformada em seguida em Arquidiocese.
A diocese possui um Plano Diocesano de Pastoral 2016-2020 da Diocese que segue a CNBB, em suas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2015-2019. “Continuamos, assim, o itinerário missionário da missão continental inspirado na Conferência de Aparecida, de 2007 e na Exortação Apostólica do Papa Francisco: “ A alegria do Evangelho ”, de 2013”, diz a sua introdução.
Desde a fundação, a diocese foi marcada pela presença e atuação da Terceira Ordem Regular de São Francisco (TOR) com três Bispos e inúmeros missionários. “A evangelização se consolidou com a chegada e atuação de outros missionários e missionárias oriundos da Europa e do Brasil. Graças a essa presença missionária, a fé católica se difundiu e se tornou fundamento sólido na vida e na caminhada do povo simples e humilde que faz a história desta diocese”.
O primeiro bispo, de fato, foi Frei Luiz Maria Galibert. Em 1905, veio para as missões de Mato Grosso. Era da TOR e exercia as funções de Provincial Regional dos padres franciscanos franceses que aqui trabalhavam. Eleito pelo Papa Bento XV, foi sagrado bispo em 15 de agosto de 1915, tomou posse no dia 3 de outubro.
Até então 6 (Seis) bispos diocesanos administraram apostolicamente seu território. O seu último bispo foi dom Antônio Emídio Vilar, nomeado pelo Papa Bento XVI, em julho de 2009, cujo trabalho administrativo pastoral foi até novembro de 2016. Dom Vilar começou seu trabalho pastoral ouvindo as necessidades da diocese, dialogando com o clero, religiosos, religiosas e leigos e leigas.
Em 2010, foi celebrado o centenário da diocese. A diocese se reconhece como Igreja em estado permanente de missão, com atuação e enfoque nas Santas Missões Populares. No último dia 15 de maio, a imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida iniciou a sua trajetória pelas paróquias e comunidades da diocese.

Prioridades pastorais:
Atualmente, são 25 paróquias e 800 comunidades, situadas numa área com população de 400 mil habitantes. Atuam na região 47 sacerdotes e 47 religiosas, 6 religiosos irmãos (freis), 2 diáconos permanentes.
A diocese tem um planejamento de longo prazo traçado até 2019, com as prioridades pastorais que seguem: 2017 – Igreja, lugar da animação bíblica da vida e da pastoral: enfoque – formação e oração em grupos de reflexão com subsídios (Peregrinação da imagem de Nossa Senhora Aparecida); 2018 – Igreja, comunidade de comunidades: enfoque – encontros nas famílias, grupos de reflexão e comunidades; e 2019 – Igreja a serviço da vida plena para todos: enfoque – pastorais sociais.
Fazem parte da diocese os municípios: Araputanga, Barra do Bugres, Cáceres, Campos de Júlio, Comodoro, Conquista D’Oeste, Curvelandia, Figueirópolis D’Oeste, Glória D’Oeste, Indiavaí, Jauru, Lambari D’Oeste, Nossa Senhora do Livramento, Mirassol D’Oeste, Nova Lacerda, Nova Olímpia, Poconé, Pontes e Lacerda, Porto Esperidião, Porto Estrela, Reserva do Cabaçal, Rio Branco, São José dos Quatro Marcos, Salto do Céu, Vale de São Domingos, Vila Bela da Santíssima Trindade.