TEMPO COMUM Respondeu-lhes Jesus: "Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus". (MT 22,29)

INFORMATIVO

Cadastre e receba nosso informativo

01/10/2019 Às vésperas do Sínodo, representantes da CNBB participam de Audiência Pública na Câmara

Debater questões relacionadas ao Sínodo dos Bispos para a região Pan-Amazônica, foi o objetivo de uma Audiência Pública conjunta promovida por duas Comissões da Câmara, a de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) e a de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA). A reunião foi presidida pelo deputado Helder Salomão e contou com a presença de representantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) nesta terça-feira, no plenário 15 da Câmara Federal.

O Sínodo dos Bispos para a Amazônia foi convocado pelo Papa Francisco em outubro de 2017. A assembleia Especial do Sínodo acontece agora de 6 a 27 de outubro, no Vaticano, em Roma. “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral” é o tema escolhido pelo papa Francisco para esta edição. Um dos objetivos principais é identificar novos caminhos para a evangelização, especialmente dos indígenas, e também por causa da crise da Floresta Amazônica.

Para falar sobre o assunto foram convidados, da CNBB, o bispo da Prelazia de Marajó (PA), dom Evaristo Spengler; a secretária-executiva do regional Nordeste 5 da CNBB, Martha Bispo e o secretário-executivo do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Cleber Buzzato.

Na audiência, requerida pelos deputados Helder Salomão e José Ricardo, dom Evaristo citou a Encíclica ‘Laudato Si’ sobre o Cuidado da Casa Comum, do papa Francisco, onde o pontífice retrata a existência de uma “complexa crise” socioambiental. Essa Encíclica, segundo dom Evaristo, é que “dá as bases e orientações para uma compreensão maior da Igreja para a questão ambiental, abrindo um caminho eclesial para o Sínodo da Amazônia”.